20 janeiro 2017

O sonhador de pés bem assentes na terra

(pintura de Júlio Pomar)


Há quem defenda que a morte deve ser encarada como um patamar final da vida, inevitável, sem dúvida, mas normal. Tudo muito bonito, mas eu não lido bem com esse patamar sórdido, negro e de onde não se sai para mais lado algum (pelo menos assim o creio). Já não pensando no meu patamar, aflige-me ver esse final em seres por quem nutro amor, simpatia, ou admiração.

Mário Soares partiu. Viveu várias vidas, obstinado, crente no que sentiu verdadeiro, corajoso. Para mim foi uma das figuras que mais marcaram a minha história de vida e, decididamente, das mais carismáticas. Admirava-o enquanto ser humano e quase invejava o seu espírito livre, decidido e arrojado. A sua inteligência parecia-me palpável e simples. Algumas vezes tive dúvidas quanto ao seu altruísmo (talvez pela facilidade com que se impacientava), mas considerei sempre que, na minha balança (e sei lá eu explicar como a ponho a funcionar e quais os pesos que nela coloco), o Mário Soares pendia sempre para o melhor e para o mais positivo e que por isso eu lhe estava grata. Vi o seu aparecimento - neste país a querer largar o cinzentismo – com admiração, mas meus olhos eram ainda novos para avaliar a sua importância por entre tantos outros rostos que com ele emergiram. Claro que também fui uma voz discordante de alguma posições suas.

Os anos foram passando. A vida deslapidou seres importantes até que chegou a vez de Maria Barroso. Nessa altura, dado o tempo que passaram juntos (cerca de 70 anos), lembro-me de ter pensado que o Mário Soares não duraria muito mais, pela tristeza e solidão que passaria a sentir, sem o amor de sua vida. Hoje considero que, tendo ele a idade que tinha aquando da morte de sua esposa, dificilmente erraria o meu pensamento.


Viveu o que lhe foi possível e se a sua idade já não lhe permitia projectar a voz (de tom aberto, autoritário e destemido) para afastar algum elemento indesejado, ou abrir/alertar mentes; se a idade, lhe retirou as forças para caminhar por entre vales e serras, ou pura e simplesmente o impossibilitou de se agarrar a uma carruagem de comboio ou projectar o corpo para fora da janela de um carro, enquanto - de sorriso aberto e, mais uma vez, destemido - abria os dedos indicador e médio em V de vitória, ou o polegar em fixe; se a idade já não lhe permitia intervir impetuosamente contra males abomináveis (onde a desumanização se enraíza quase a tornar-se normal nos dias que passam) de forma a deixar claro que o medo e o silêncio apenas promovem a enormidade do que de mais errado possa existir; essa mesma idade não apagou a curiosidade, nem o discernimento político, social e cultural que só um grande Homem pode conter e que para mim estava bem visível no seu olhar.

Fiquei triste pela sua morte, ainda estou triste. Mas sei que a minha maior tristeza reside na certeza de que poucos serão tão destemidos quanto Mário Soares e, sobretudo, poucos entregarão a sua vida com lutas tão dignas de forma tão convicta, sonhadora e corajosa.

03 dezembro 2016

Meu Dedinho







As saudades qu’eu já tinha
D’na minha pobre patinha
Um dedinho mais partir

Ai como é bom coxear
Nos transportes me sentar
Pr’as dores eu não sentir

Andar sempre assustada
Que há gente muito marada
Que adora os outros pisar

Perna sempre a encolher
E os rins sempre a doer
Corpo torto a balançar

De tanta vez os partir
Creio já nem os sentir
Verdadeiros, como meus

Imagino a chacota
Recheada de risota
De meus manos, ó meu Deus

Pr’o suplício ter um fim
Decidido foi por mim
Terminar com tanta dor

Esquinas, curvas e arestas
Cortei com todas as frestas

Forrei todo o corredor.

05 outubro 2015

5 de Outubro 2015





5 de Outubro,  – dia de Portugal, enquanto República, outrora celebrado com um feriado.

A chuva fustiga, sem dó. 

Não me importo. A irritação que sinto e sei que devo acalmar, é feita de cinzentismo. Até a minha parte mais calma está desestabilizada. Não há ponta por onde se me pegue neste dia invernoso.

Ontem, as legislativas mais uma vez se decidiram pela vitória da direita e, embora sem a maioria, fiquei perplexa.

No comboio o silêncio, invulgarmente, acontece.

Por onde andam os festejos?

A alegria não paira e muito menos se estampa nos rostos dos que me rodeiam. Olho atenta: vejo rostos tristes, cansados, descolorados.

Por onde andam os conscientes eleitores que renovaram o bem-estar de alguns e permitiram resultados que brocam os ainda saudáveis dentes deste país tão lindo?

Por onde as bandeiras, os fatos, as gravatas, o acre odor a perfume caro “I go all the way”?

Estes viajantes vestem roupa triste, coçada e com vincos: têm os rostos crispados.

A crosta de desânimo teima em crescer e eu – antes que me espoje pelo chão, a chorar a tristeza do tamanho da chuva que rompe o silêncio – apelo à calmaria.

No meu comboio não há culpados.

No meu comboio não há inocentes.

Hoje politólogos enumeram razões super inteligentes e compreensíveis para o resultado obtido.

Preciso imaginar que o meu povo – desanimado – é estratega, sabe o que faz: tem em vista a limagem das diferenças entre os partidos. Tudo em prole do entendimento e simbiose de ideias entre os cabeças pensantes, que nos transcendem em decisões, que nos levam por caminhos tortuosos, mas sempre no encalce de um Portugal melhor, para todos.


Mas, por vezes, os meus sonhos estão cabisbaixos, desanimados e tristes.

E o vento passa e nada me diz

03 dezembro 2014

Maratona Gastronómica




Aviso: Qualquer semelhança com os factos e personagens relatados neste texto são pura realidade.

- Vai Tutas, tu consegues, vai… acredita, pá… Tu consegues!!!!”
Obedecendo às vozes uníssonas de JR e TB e ao assobio esgrouviado  da AL, o Tutas –estoicamente – abria a porta do carro, colocava o pé esquerdo no terreno de terra batida e entortava ligeiramente o direito, pronto a recuar na intenção de sair da viatura. Em milésimos de segundo, a porta batia no trinco e lá estavamos os quatro , entre risos, protestos e lamurias, já sem assobio. A rodear a dianteira do carro os mastins ladravam sem parar, de forma ameaçadora e, o mais afoito,  equilibrava-se, com as patolas da frente na vidraça do condutor,  de fortes unhas a escorregar pelo cinza do Audi, a fazer-nos imaginar os cabelos do Tutas de pé (caso a sua cabeça não estivesse totalmente rapada).
- Eh pá, os gajos são inofensivos. Vai lá pá… ó Tutas vai! Tu consegues…”
O Tutas repetia a façanha, algumas vezes conseguia retirar o corpo por completo, dar um ou dois passos mas, de seguida, contornava a porta do carro e quase em voo, mandava-se para o banco dianteiro.
Mas voltemos atrás no tempo.

Tudo começou no sábado, num imenso e delicioso jantar no “TÁNAHORA”, em A-das-Lebres, onde festejámos os anos do Paulo Vaz, um excelente amigo (já integrado no seio desta família). Claro que a confusão – apanágio destes encontros dos Lellos – não se fez anunciar e instalou-se: entre decibéis elevadíssimos e risadas; bacalhau com natas e bochechas de porco; roubos de comida dos pratos de uns e outros; doces;  vinhos, cervejas, sangrias, Portos e afins.
Ao mano Zéca, querido sobrinho Hugo e equipa, os nossos agradecimentos por terem um espaço tão agradável e pela excelente comida que nos iniciou na maratona gastronómica deste fim-de-semana.
No final da noite as crianças sabiam os seus nomes, pareciam estar normais (o que nos dá sempre um grande alívio) e os adultos estavam a entrar cada vez mais na normalidade: espalhafatosamente baralhados. Por sua vez, o aniversariante – habituado que está à confusão da família dos Lellos – pareceu-me bem de saúde e feliz.
Terminada a noite, despedimo-nos ordenadamente, com uns a terem direito a duplos e triplos beijos e outros a verem navios.
No domingo, as facções: família Cácá e família Tutas, com o emplastro TB (a minha pessoa em pessoa) e o adoptado JR, abririam cedo a pestana e… ala para Portalegre. No que me diz respeito (sou a emplastro TB) levei a mochila e acamei na cama do Tiaguinho que, por sua vez, levou a mochila e pediu asilo na família Cácá. Para trás deixou o Balú – o refugiado cachorro franjolas – que, exigiu dormir na sua camita ao lado da minha e teve alguns pesadelos durante a noite (possivelmente com medo que eu o mordesse).
O Tutas, ainda de madrugada, fez o favor de andar de um lado ao outro do corredor, com a sua tosse canina a servir de despertador. E lá me levantei, cheia de pica, com a cama a agarrar-me, a não querer que a abandonasse.
Enquanto eu jejuei, o resto do pessoal não perdoou umas dentadas nas apetecíveis fatias de pão passadas em ovo (ó balha-nos deuses: será que conseguiram digerir o jantar e se esqueceram do almoço marcado para daí a umas horitas?) e beberam sumo de laranja.
Iniciámos a viagem. 1º destino: saída da ponte Vasco da Gama e apanhar o adoptado JR.
A paisagem foi alvo (pela milionésima primeira vez) de ahs e ohs e novos ahs e ohs, com direito a ser fotografada pela “coo-pilota” AL que, sem avisar, abria a janela e click (olhava para o resultado), click (tornava a olhar o resultado) e click (de novo, olhava o resultado), para chegar SEMPRE à conclusão de que os resultados não resultavam (talvez porque o Tutas não parava o carro, sei lá…). Eu, atrás, fiquei com o penteado despenteado e ainda estou a descongelar alguns neurónios (isto vai aos poucos, que são muitos).
Pelo caminho, os telefonemas à família Cácá primaram e, invariavelmente:
- Atão, já saíram? – perguntava o Tutas.
- Não. Estão a tomar o pequeno-almoço – respondia a AL.
O fim da ponte anunciou-se e lá vislumbrámos o adoptado JR, de sobretudo cinzento - sem capuz, que os odeia (deve ter medo de enfiar barretes) -, óculos de lentes progressivas, mochila a condizer com o sobretudo e gaitinhas perto da garganta, mas do lado de dentro. E trazia ainda a vontade de falar… e falar… e falar. Há que reconhecer que foi um falar interessante - notório na alegria que acrescentou ao habitáculo de vidros limpos e límpidos (excepto o do seu lado: completamente embaciado).
Muitas coisas foram ditas mas escusado será relatá-las que ninguém iria entender. Largo um ou outro exemplo, só para os mais curiosos:
JR - Espera… deixa-me tirar os óculos… - e mais uma fotografia para o boneco.
JR - Espera… deixa-me pôr os óculos… Estamos na A6!
Tutas – Como é que sabes?
JR – Ó pá… Agora , com estas lentes super-progressivas, se olhar lá para o fundo, até consigo ver as placas espanholas.
E eu, infeliz, com um olho a ver ao perto e outro ao longe, nem o marco com a indicação A6 consegui ver.
Lá para Estremoz, o JR questionou o Tutas se teria fechado o seu carro:
– Eh pá, Tutas, eu fechei o meu carro?
Tentámos descansá-lo: que sim, com toda a certeza, que faz parte da rotina…, mas o JR, já sem dúvidas e após fazer o rewind, chegou à conclusão de que o carrito estava aberto. Colocou-se a hipótese de telefonar ao João Carlos (que ainda estava para os lados de Torres Novas, uns 100 Km atrás de nós e por isso mais perto do carro do JR), mas primeiro ele teria que ir ao nosso encontro para ir buscar a chave do carro. Desistimos da ideia, tanto mais que o JR lembrou-se que, quando anda de mota, estaciona-a e não tem como a fechar e diante tal argumento seu, que não conseguiu desmontar, ficou mais descansadito e resolveu lembrar-se – de novo – da sopa feita na noite anterior e que ficou esquecida fora do frigorífico.
- Ó pá… será que a sopa se estragou, fora do frigorífico?
E nós:
- Nãããão… a sopinha aguenta-se bem… não se estraga assim. Nem sequer está a trovejar… puseste alho francês?
- Não. Só puz alho…
- Ahhhh então não se estraga… Nem sequer faz relâmpagos…
E o JR já muito mais descansado e agradecido com a explicação dos trovões e das faíscas e a fazer banda desenhada para o ar, embaciou ainda mais o vidrinho do lado dele.
Em Estremoz (que só vi de passagem), dei a entender que seria agradável beber um galãozito, mas os cafés devem ter emigrado, que o Tutas só parou em Portalegre.
Para surpreender o Diogo (que não sabia desta excursão familiar), o Tutas não estacionou perto do Café Central (ponto de encontro e local do almoço), pelo que lá fomos, colados às ombreiras que não nos protegiam do cacimbo e que nos deixou preocupados com as gaitinhas do JR. A ideia era, a certa altura, ficarmos escondidos enquanto o JR se adiantava e preparava o terreno da surpresa.
E lá foi o JR: mochila a descair do ombro, mãos nos bolsos do sobretudo, óculos de lentes progressivas, gaitinhas no peito, pescoço encolhido – deveria ser para evitar a chuvinha miudinha -, corpo inclinado para a frente a contrariar a inclinação da pequena ladeira que nos separava do Café Central. Nós, encostados a uma vitrina e de olhos espevitados e colados à porta do café (devia ser porque não tínhamos lentes progressivas), aguardámos o regresso do adoptado que se fez logo de seguida, da mesma maneira, mas ao contrário: inclinado para trás.
O Diogo, como faz o turno da tarde e noite, segundo indicações da sua mãe, ainda dormia a sono solto. Foi entre murmúrios, lamurias e protestos velados que invadimos o café e, com o desgosto: vai de uma tacinha de tinto na vez do galão. Até que o Tutas, não se dando por vencido e com indicações da Domingas (mãe do Diogo), nos enfiou de novo no carrito e resolveu ir surpreender o filhote, na sua doce camita.
Chegados a uma casita branca, debroada a amarelo, plantada numa propriedade privada, o Tutas fez soar a buzina do seu automóvel: insistentemente, sem se atrever a sair do carro, por saber da existência de cães. Ao fim de uns minutos de chifrineira desalmada, lembrou-se que casa também poderia ter outros inquilinos e que seria indelicado acordá-los daquela maneira. Telefonou à Domingas e…
- Eh pá, vamos embora… não é esta casa…
O mais depressa que pudemos, todos ajudámos na manobra perigosa de marcha atrás, num “imenso” declive e numa estradinha onde não seria possível fazer inversão de marcha.
JR – Vira mais Tutas… não é para a direita pá… VIRA PR’À ESQUERDA. Eh pá Tutas…. Direita, mais para a esquerda direita pá…
TB – CUIDADO MANO… estás quase a sair da berma… direita mano, direita.
JR – Ó Tutas pá…. Esquerda… vira para a esquerda…
E o Tutas, com a porta do condutor entreaberta, cabeça de fora a pender para a traseira do carro – Eh pá, eu estou a ver, caraças… vamos mas é embora daqui, antes que o dono da casa saia de caçadeira.
E entre gargalhadas incrédulas, lá se fez a manobra. A casa do Diogo ficava a escassos metros, no terreno abaixo da casa anterior e era de tal maneira perto que esta parecia fazer parte do tejadilho do carro.
Desta vez, uma série de mastins, em ladroagem desigual, colou-se ao carro e o meu mano descobriu que tinha uma buzina a duas vozes: ora aguda, ora grave, e foi uma chinfrineira desenfreada, assobios arrepiantes, risos e gargalhadas, “DIOOOOOOOOOOOGOS” à mistura, telefonemas para os telemóveis dele, da Maria (sua companheira) e telefone fixo da casa. E as gaitinhas do JR (segundo o próprio) a descerem à boca do estômago, a AL a ficar sem assobio, eu sem voz e o Tutas a arranjar coragem para invadir a casa.
- Vai lá Tutas, coragem pá. Os cães não fazem mal, têm ar inofensivo…
O Tutas tentava – pouco, mas tentava – sempre com o nosso apoio. E de cada vez que fechava a porta: os cães afastavam-se, para retomar o ataque em nova tentativa.
JR, TB e AL – É preciso acreditar Tutas. Vai lá pá. ACREDITA!!! FORÇA, CORAGEM!!!
Até que de repente, um ciclista passou na estrada, atrás do carro e os cães mudaram de alvo. Caninos para um lado, Tutas para o outro, a atingir o alpendre e a fechar-se atrás de uma porta em arame, mais parecendo enjaulado que outra coisa.
Entrou na casa e tornou realidade o que até aí – para o Diogo – seria um sonho (eu não disse pesadelo, ok?), o seu paizinho mesmo ali, por cima da sua cabecinha adormecida.
De regresso, o Tutas foi escoltado até ao carro.
Como tínhamos tempo, passeámos um pouco, ao som das memórias futebolísticas do Tutas e farmacêuticas do JR. Olhámos o estádio de futebol, onde tantos golos o Tutas marcou; mais abaixo, rodeámos o plátano centenal que, de tão vasto, vê os seus potentosos galhos suportados por suportes em ferro, pintado de várias cores. Debaixo da contínua névoa de chuvinha, o JR contraía o pescoço, tipo cágado, como se tal postura evitasse que a chuvinha lhe molhasse a tola e incomodasse as gaitinhas. JR, que – repito - prefere ter as gaitinhas a usar um gorro.
Entretanto a família Cácá chegou e fomos ao seu encontro, no exacto momento em que estacionavam. No lugar do condutor, o meu mano João Carlos, de ar sereno; ao seu lado, o Brunex era completamente agarrado pelo banco que não o largava; atrás o Tiaguinho de ar feliz por nos ver; ao lado a Manela, a fechar um saco de plástico com vomitado do Gonças e com ar de quem o vai atirar à cabeça do João Carlos. Quanto ao Gonças, um pedacito amarelado e a dizer que estava cheio de fome, já saltava do carro.
No Central, reiniciámos a maratona com uns copitos de vinho tinto aqui, outros ali (andavam sempre a fugir); petiscos e, já na companhia dos dorminhocos e ainda sobressaltados, Diogo e Maria e dos restantes convivas, sentámo-nos para o repasto: bacalhau com natas; sangria; pernil com migas e batata frita; sangria e vinho tinto; doces; vinho tinto e sangria; o chavascal do costume; os papparazzis do costume; a alegria do pessoal; a confusão; a troca de gritos; a sangria & vinho tinto, não Lda.; as patetices; as provocações; o resvalar de olhos e lentes progressivas pelos amigos e o desejar (estou convicta) de outros encontros com os amigos do Donald’s Club, familiares e todos os que vierem por bem (é favor trazerem sangria e vinho tinto).
A comitiva – Cácá e Tutas - ainda passou pela bonita casa da simpática Marília (aniversariante), onde bisbilhotou as obras de arte e transformações da casa. Por fim, de novo no Central, procedemos à segunda despedida do Diogo (o Tutas ainda voltou para uma terceira despedida melosa ao seu primogénito).
De regresso a casa, ainda de copo na mão lalala… senhoras e senhores ... Olavo Bilack... lala
Desculpem, não é nada disto.
De regresso a casa, o Tiaguinho foi incorporado entre mim e o JR. Os vidros portaram-se bem, à excepção do do lado do JR: embaciado (porque seria?). Durante a viagem escutaram-se assuntos sérios entremeados com outros, galhofeiros e, numa paragem casual, numa área de serviço, o JR a queixar-se de uma anca, trocou de lugar comigo que – para ser simpática e, depois de saber do problema do seu joelho esquerdo, que estala com’ó caraças (demonstração feita ainda na casa da Marília), acabei por sentir uma pequenina dor solidária na minha anca esquerda. Após alguns Kms de estrada e falatório, todos os vidros estavam limpinhos, à excepção do vidro ao lado do JR: completamente embaciado.
E não vos canso mais.
Mas antes de terminar preciso dizer-lhes que o JR insistiu que passássemos em sua casa para provarmos a dita sopinha, não sem antes verificarmos se o carro ainda estaria no mesmo sítio, claro.
A malta não se fez rogada, mas pelo sim pelo não decidimos passar no “Lidel” e comprarmos uns bifinhos de perú e umas garrafinhas de tintol e umas batatinhas e uma saladinha e uns chocolatitos e umas meias quentinhas.
E assim foi.
O carro estava fechadíssimo!
A entrada no “Lidule” fez-se em correria espontânea com o JR à cabeça, a guiar um cestinho de compras e a pantominar pelos corredores afora.
Já em casa do JR… comemos e bebemos como se há 15 dias não o fizéssemos.
Ah e a sopa estava boa.

E, agora sim, termino, que o JR  está a deitar fumaça, desejoso de fazer a sua publicação (já ameaçou fazê-lo e tudo), mas combinámos fazer as publicações em simultâneo, para não haver copiansos. Além disso, não quero acordar as gaitinhas.

Adorei e agradeço a todos os belos momentos que passámos.

26 novembro 2014

Vuelvo al Sur




Vuelvo al Sur, regresso al amor. . . e tantas outras composições de Astor Piazzolla - com o enorme violoncelista Yo Yo Ma - têm-me acompanhado (repetidamente e sem enjoos) há alguns dias. Acompanham não só a mim, mas à leitura, que me engole durante as viagens de comboio e metro e me vomitam para o mundo real, onde visto indumentárias menos agradáveis.

Astor conseguiu a minha pessoa no seu total, com temas deliciosos, pejados de uma estranha e melancólica desenvoltura (e não serão estes os ingredientes da melancolia?).

Certo é que enquanto viajo pelos meandros absorventes da leitura, a música agarra todas as pregas do meu tecido corporal, entranha-se e viaja - ela também - até me invadir a alma, saltar para o cérebro e mergulhar despudoradamente de sinapse em sinapse - vestida de cores cinza-sépia.

A voz de Goyeneche - roufenha do tabaco e aguardente -, cheia de emoções, cheia de dores, esperanças, enganos, alegrias... e o meu livro, a despojar ânsias ficcionadas de adivinhação policial e meninices de poeta, enriquecem-me até à exaltação.

Como é difícil chegar ao meu destino!

Tempo



Ai tempo, tempo. 
Passas a correr, vejo-te, sinto-te, mas passas tão rápido: fico impotente de te seguir.
Tenho de redimir-me. Alcançar o patamar da desilusão, da dor de não te ter aproveitado – como o poderia ter feito? Talvez se tivesses tido um pouco de tempo para mim; me abanasses; obrigasses a  perceber o quanto és veloz: que quando passas, já nada pode acontecer antes. Não! Passas levemente, deixas a tua carga pesada, e eu continuo a sentir-te sem te tocar, sem te perceber e sem que me entendas . Poderias ter tido um pouco de compaixão, mas não: continuas a passar, rápido, com um sorriso mordaz – talvez a palavra adequada fosse cínico – e inalterável, como só tu sabes fazer e ser.
Desnorteias-me. Olho para mim e não me vejo, pelo menos como desejaria (ou, como por vezes, me imagino – o que vai dar ao mesmo). E todos os dias me apetece agarrar-te  - sem saber por onde -  parar-te, acorrentar-te e recuperar o que sei  teres-me tirado e dar-te o que me deixaste.
Mea culpa!
 Mas não quero que seja só minha: arrepanha-me a solidão cheia de vazios e de ti. E porque te sei meu carrasco, não te perdoo. Dás-me esta coisinha crescente que alimenta esta ânsia de nada querer ver, de não desejar este teu passar, que dói e me maltrata e me faz cair em letargia estranha e fútil.
Confesso: talvez não saiba viver, aproveitar-te… sei lá… Se algum dia te desejei  foi há muito, há muitos pedaços de ti: tinha motivos para tal, mas já não te quero, pelo menos com tal intensidade. Não podes abrandar? Porque continuas a acelerar?
Dói-me o corpo enquanto durmo; mirram-se-me os ossos (à sucapa) nesse dormir. Infortúnio me trazes em cada dia que me tiras. Humedecem meus olhos nesse desgate imparável;  meu coração aflige-se: tudo por tua causa.
Se ao menos soubesse o que fazer no tempo que ainda me vais roubar… mas não. Tu passas pela calada, largas vestígios que não pretendo – ingrato. Não és capaz de largar pequenas pistas de sorte. Nada. Carregas gargalhadas finas de areia a escorregar pela ampulheta da vida: e não a viras – nunca.
Por isso te acuso: és um mau professor; maltratas-me;  jogas mal o baralho da minha vida. Bem sei que olho as estrelas e o mar e o verde lindo da natureza – ponteado de cores e vários brilhos -, com olhos de esperança, mas de que me serve? Mais parece o brinquedo que se promete sem dar. Acenas o destino, veste-lo de arco-íris e eu (pobre coitada) caminho em busca do pote de ouro no seu final: nunca o encontro.

Não gosto de ti!
Impiedoso e feio te tornas a meus olhos. Vestes agora – cada vez mais – de negro, e tens garras sujas de veneno da desesperança, tristeza, solidão. E sei onde todo esse vertiginoso acumular acaba – sim que tu não me poupas ao teu passar. Vais-me lembrando, durante os sonhos (cada vez mais interrompidos); largas mensagens pelo meu corpo e (quando, assustada, desvio a atenção de ti) aceleras meu coração; dificultas meu respirar e obrigas-me a perceber que um dia – um dia qualquer, à tua escolha – largarei o meu penar e as minhas alegrias, deixarei de ser quem me fizeste: abandonar-me-às.
Eu, de tudo me abandonarei!

13 junho 2014

Sexta-feira, dia 13


Sexta-feira, dia 13. Ok, dia normal, pelo menos para mim que nem sequer sou supersticiosa. Certo que o meu gato não é totalmente preto, mas não tenho culpa alguma disso; também não passo por baixo das escadas que vão para o sótão, só porque logo a seguir está uma parede.

Isto para dizer que há uma semana que ando de volta do quintal. Tirei as portas de um telheiro; limei  frestas, lixei as traves; saquei da fechadura; despejei o dito telheiro (fugi de aranhas arraçadas de tarântulas); tropecei em vasos de geração espontânea; mudei plantas (dei pulos gritantes, ao sacudir dos cabelos aranhiços saídos de uma guerra, camuflados de plantas); pintei a parede do fundo do malfadado telheiro; troquei quinhentas vezes a disposição dos três únicos móveis que por lá habitam (fugi de tarântulas disfarçadas de aranhas); pendurei fios eléctricos; arrasei os rins a esfregar com lixívia o chão do quintal; troquei de mangueira e isolei todas as junções: já não há pingos a fugirem para lado algum. No exterior, cortei a relva, adubei, cortei sebes, e passeei a máquina de corte pela calçada, aparando as ervas daninhas: não sei da sachola.

Todas as noites atafulhava o local com os objectos espalhados e fechava as portas, para no dia seguinte retirar tudo de novo. Mas consegui catalogar caixas e tornar mais fácil as minhas buscas futuras. Finalmente sei onde estão os seis pares de luvas de jardinagem, as três vassourinhas, duas bombas manuais de encher pneus de bicicleta e uma de pé. Descobri que fiz bem em não deitar fora a serra eléctrica, porque afinal ainda existe a peça onde encaixa a corrente e que sou dona de alguns vasos – de variadíssimos tamanhos (depois de ter sacrificado a caneca do leite para salvar uma roseira).

Parecia um puzzle, cada vez com menos peças (graças ao caixote do lixo público), mas mais organizado.
Hoje, finalmente - dia 13, sexta-feira -, pintei as portas com bondex e a fechadura com tinta -verde musgo - anti-ferrugem. Aparafusei  a fechadura, com toda a força, lutando contra a resistência da madeira e enquanto, orgulhosamente, enxugava as gotinhas de suor da testa, olhei a parte da frente da porta  e percebi que aqueles deveriam ser os parafusos das prateleiras colocadas no lixo: sobravam cerca de meio centímetro. Retirei a fechadura, não sem antes dar cabo de duas pontas de chave de estrela e recoloquei –a com parafusos menores. Fechei as portas: trincos interiores e fechadura de lingueta normal. Livrei  a mesa do quintal das mil ferramentas e sentei-me orgulhosa, com pequeninas dúvidas, estilo: por que raio sobram sempre parafusos? Terei feito bem em deitar tanta coisa fora? Será que devo ir espreitar o contentor do lixo? Só para ter a certeza…

Fui interrompida pela lata de tinta verde musgo, airosamente em cima da churrasqueira, a pedir que a guardasse no telheiro. Levantei-me, tentei abrir a fechadura. Não cedeu. Forcei – que eu não desisto facilmente, pelo menos até…  a chave partir.

E NÃO TENHO OUTRA!

Hoje - sexta-feira, dia 13 – não terminei as tarefas com a entrada da noite. Abandonei a latinha de tinta verde musgo, na churrasqueira (tem tudo a ver), fui para casa e dei comigo a espreitar as portas do telheiro com a ingrata fechadura.

Resolvi  – não porque seja sexta-feira, dia 13 – aguardar o sábado, dia 14, com imposta serenidade.



28 março 2014

Eterna viajante



Olho atentamente em redor: placares gigantes de cores apelativas; rostos lindos, com sorrisos pepsodent; preços, muitos preços e descontos e setas a indicar direcções e destinos, com letrinhas a identificar os locais que, de tanto as ler, me parece já ter visitado.

O som de uma música dos Trovante entra suavemente nos meus ouvidos. O público canta em uníssono, sem enganos.

E espanto-me por não saber a letra da canção.

Caminho em direcção ao metro. Desço escadas que parecem não terem fim.

No canto do costume, encostado a um pilar, o cego canta números da lotaria.

Por mim, passam as gentes apressadas, entre os quais aquele senhor enorme, de sobretudo azul escuro que, todas as manhãs, passeia um pequenino saco azul turquesa, onde – tenho a certeza – guarda o almoço.

E todas as manhãs me espanto com aquela altura humana e com o pequenino e balançante saco azul turquesa na sua mão.

Obrigo-me a olhar com atenção, a ouvir com atenção, a sentir com atenção.


E espanto-me ao perceber que passo a vida a pisar terrenos novos, a ouvir músicas novas, a ver coisas e pessoas pela primeira vez. E tudo é novo para mim, sempre novo, ainda que todos me digam que é repetido.

Ilusão




Surges tão rápido, sem que te espere
Que nesse inesperado  aparecer
Minha solitária alma estremece
Como se ausente não fosse teu ser

Aflige-se este pobre coração?
Estranho eu sem forças,  sem resistência
Em sofrimento resisto à razão
Antes tua imagem que total ausência.

É tão bom este sofrer meu amor
Feito de realidade adiada
Que  impossibilitada de te ter

Deixo assim visitar meu triste ser
Fecho os olhos e volto a ser amada

Para sempre quero tamanha dor.

14 fevereiro 2014

Máscara



São tão tristes esses sentires da alma
Cheios de enganadores gritos mudos
Que gritam em silêncios tão surdos
A cegueira que se pretende calma

Então  as agruras ficam nos fundos
Mascara-se de alegre  o desamor
Alforroa-se com  grilhetas a dor
Silenciam-se os suspiros profundos

Se ser o que não somos é tão forte
Expliquem-me tamanho escondimento
Mais valia gritar sinceros gritos

Ofertar à  vida silêncios aflitos
Chorar alto o insane sofrimento

Que de tanto choro matasse a morte



P.S. - Foi já esta música referenciada (e hoje colocada) num post que escrevi no início da existência destes meus "Pequenos Mundos". Sempre que a canto ou oiço lembro a minha querida amiga Raquel e as saudades que tenho de nós. 

08 fevereiro 2014

Arrota TT - Esquina da Fé

Uma Crónica na Primeira Pessoa

Grupo, mais ou menos aberto, com sócios baldas e lapas dispostas a ir até ao fim do mundo.
Objectivo: Conhecer as tascas e tabernas de Portugal (por enquanto).

1ª Tasca: “Esquina da Fé” – 25 de Janeiro

Presentes: Eu, Sarita, Compadre Duarte, Paula, Miguéns e Rute.

O que verdadeiramente interessa, nestas incursões inventadas, é a diversão, o convívio amalucado, regado com larachas, risos, cumplicidades de olhares agaiatados, constantes partidas, mas também, escutas interessadas de palavras a sair em desabafos, conversas de remar contra as marés, pedidos de desculpa e de compreensão, acusações, catarses subliminares gritadas em silêncios, mas a pairarem nos ares, prestes a rebentarem e só travadas pela boa onda que o pessoal possui.

Faz parte o caminharmos, tirar fotos (para avaliação em concurso, lá mais para a frente).

Nesta noite de frio e chuva miúda pensou-se ainda em visitarmos o Hot Club ou outro bar afim.

Lá fui eu apanhar o comboio até Lisboa. O frio húmido encrespou-me o cabelo, submetido à carapuça do blusão (estilo esquimó), por isso, ao chegar ao Rossio – e porque nunca vejo um palmo à frente do nariz -  passei pelo Duarte e Paula sem que eles me reconhecessem. Valeu-nos os telemóveis para percebermos que estávamos à frente uns de outra. E foi o início da noite, em risadas e boa disposição.

Rodeámos o Rossio, de luzes taciturnas a brilharem entre galhos sem folhas; 


tirámos fotografias (mais ou menos à toa, falo por mim):

 a bolas de mármore plantadas em alguns passeios; 



a arcadas; a sem-abrigo deitado sob uma simples manta;


 às luzes alaranjadas a vestirem as ameias do Castelo de São Jorge; a bocas de incêndio magras e vermelhas (com e sem tampa);


 a pedras de calçada tão típicas desta cidade que amamos; 



a pessoas que se adiantavam ao disparo da máquina fotográfica.


Placidamente, trepámos a avenida da Liberdade e abancámos numa esplanada, onde a música nos abraçou, ao mesmo tempo que o radiador (dependurado no chapéu de esplanada) expulsava um calorzinho com sabor a vermelho arroxeado. 


Algumas fotografias e risadas depois, apareceram a Rute e o Miguéns, já não a tempo de provar a saborosa fatia de bolo de chocolate (azar!). 


Às 20H: ala que se faz tarde e frio. Combinámos com a Sarita que se dirigisse à taberna, a residir ali perto. 

Virámos pela Rua das pretas, 1ª à  esquerda, andar um pedacito, 1ª à direita e lá encontrámos a Rua da Fé, colocada em descida abrupta, ladeada de paredes antigas, com uma delas a engolir a nossa tasca. Após uns degraus e passagem por um corta vento, continuámos por entre um longo balcão e umas mesas enfileiradas. Ao fundo: o nosso recanto de paredes com tijolo, xisto e madeira com velatura esbranquiçada.



Logo à esquerda as nossas mesas aguardavam-nos. Preparadas para 8 pessoas, apenas 3 delas tinham, sob a toalha branca, pratos, talheres e copos. O Mika e a Olga faltaram ao evento. O motivo deu pano para mangas de risadas. Segundo o compadre (que já se pronunciara na nossa página “Arrota TT”):

“Kick-off é o mesmo que " pontapé no cu" mas mais fino....e é o que os gringos fazem para pôr o pessoal a bulir!                             Enviado do meu Optimus San Remo

A Sarita chegou pouco depois, salva por um toque de telemóvel de uma mocita que assolara à porta da tasca, bem no momento em que ela me ligava, fazendo-a olhar na direcção certa. Foi assim que dei com duas desconhecidas a falarem animadas.

A sua chegada fez-se em cumprimentos cheios de risos, já com estórias a serem contadas:   a ida do compadre à pequenina casa-de-banho da senhoras, a fechar a porta em fole e – após passinhos de ballet para se virar no reduzido espaço, sem tocar na sanita – a não entender o motivo do quase furinho a meio da porta, perfeitamente boleado, do tamanhinho de um dedo. Depois, teve de a abrir. Ao sair para o cubículo, encontrou a Paula a rir, por ter dado de caras (por sua vez) com um urinol na casa-de-banho que restava.
.



Fotografias e mais fotografias: às paredes, às molduras com recortes de jornais e notícias idosas; 


aos espelhos, candelabros e lanternas, em ferro forjado; 



ao fundo esquerdo da taberna, 



ao centro e ao fundo direito, a desembocar em degraus encimados com tijolos de vidro; 


à fotografia da Irene Isidro (artista de teatro, já falecida – disseram-me depois); aos pratos e talheres dourados; 


a nós e a eles;  ao chão, que me relembrou a meninice; 



a tudo. 

No meu caso, quase não se aproveitou nenhuma (tremidas, uffff) e matei a bateria, o que foi uma grande chatice no futuro da noite, com tanto para gravar.

Foram pedidas 3 doses: bacalhau à lagareiro, polvo à lagareiro e espetadas de tamboril e gambas, tudo com batatinhas assadas e legumes, alguns jarros de tinto, a que precederam 2 dúzias de quentes croquetes, pão saloio com fartura, queijinhos, patês, manteigas. No final, eu e a Sarita (que está cada vez mais bonita), comemos uma fatia de pudim caseiro. O jantar foi uma delícia (eu ainda roubei umas rodelas de polvo da mesa ao lado, só para provar).

O empregado (que creio ser o dono) teve de ser placado para nos ouvir. Causa: possível, mas não apurada, surdez. Só consegui apanhá-lo de costas.



O Miguéns, com o seu belo e gabado “tele-inter-cyber-cristal-what do you wanna know– birth-astral” aparelho, fez leituras de mapa astral do pessoal, sem conseguir evitar os protestos ciumentos, ciosos de saber um futuro desconhecido, mas que se pretende feliz. Ficámos a saber das 7 casas sobre Saturno, com cruzamentos de Marte e de Vénus a saírem de órbita e a provocarem Júpiter, por sua vez, influenciado pelos anéis magnéticos de Urano que achincalha – lá de longe – o Sol, provocando-lhe contínuos desaparecimentos e inchaços de raiva na Lua que adora estar na casa 31, dentro de uma tasquinha qualquer a presenciar os anseios e expectantes olhares de amigos barulhentos.

E perguntou-se (indirectamente) pela solidão e (directamente) pelos filhos que tanto amamos e piscámos os olhos e tivemos vontade (pelo menos eu) de roubar o dito aparelho e fugir a sete pés.

Com tanta pergunta o tempo passou e o Hot Club foi com ele. Pagámos cerca de 15,00€ por cabeça, o que considerámos barato, despedimo-nos da asseada tasquinha e do seu dono com (repito, não comprovada) surdez.

Entrámos na noite adentro, com frio, mas quentes olhares pelo que esta maravilhosa cidade nos dá a descobrir como nosso: igrejas, fachadas, casas com história. As calçadas foram palmilhadas com pés doridos (estaremos a ficar velhotes?), em busca de um bar – supostamente encalhado entre edifícios antigos, com entrada por um vão de escada: Nada!
Virámos em direcção ao Condes e entrámos no Hard Rock. 

Trip completa! 

Começo por dizer que “É CARO COM’Ó CARAÇAS!”, mas que valeu a pena, valeu. Proporcionou consideráveis gastos de energia, pelo menos a mim e ao Miguéns. Após uma visita rápida pelas imponentes instalações de corajosas e megas decorações, sentámo-nos a uma mesa, num mini palco, onde se encontrava o disk-jockey, ou melhor, o disk-pc, ou jockey-pc, sei lá que nome dar-lhe. Por cima, um amputado carro, a sair da parede. Certo é que a música esteve do melhor, com incursões (sobretudo) pelos saudosos anos ‘80s. Claro que o corpo não se deixou ficar quietinho  - pelo menos da cintura para cima.

Diferenças entre mim e o meu amigo Miguéns, enquanto irrequietos dançarinos, cheios de bicho-carpinteiro: a minha suposta dança, ainda que com ritmo, faz-se à toa, ao sabor de sentires vários, somados a catrefadas de lembranças: um autêntico despir de alma (e também de camisola); o Miguéns é a dança todo ele, a música disfarçada de pessoa; o ritmo a ditar deixas teatrais; o rosto a transfigurar-se em arte dramática e o corpo a lançar desafios entre o estático e as movimentações repentinas, geniais e humorísticas. Ou seja: mim = a diamante brutalhado; Miguéns = diamante super precioso e lapidado. As energias foram idênticas, mostradas num dançar imparável. Mímica, mímica e mímica e gritos súbitos com o nome dos cantores e grupos, a ponto do disk-qualquer-coisa se virar várias vezes para nós e comentar: “Vocês sabem-nas todas… vão para a pista dançar!”. E nós orgulhosos a aplicarmo-nos nas gavetas das recordações e a bebermos o único copo de bebida que cada um pediu. 

Já disse que é “CARO COM’Ó CARAÇAS?”.

Os restantes do grupo, abanaram carolas, riram connosco, fizeram comentários, olharam para o lado contrário ao nosso e, por isso, deram conta quando um grupo de empregadas do Hard-Rock, fardadas, subiram ao nosso palco e - em movimentos mais ou menos sincronizados  - dançaram o “YMCA” dos Village People, a que não faltaram palmadas nos próprios rabos. Tudo a fazer  lembrar um bar americano, cheio de assobios de cowboys, com tiros pelo ar a partir imensas garrafas de whiskies e esporas a cravarem-se no chão. Como adorava ser novita e andar ali, pelo meio, a dançar e a sentir-me uma estrela… Onde ia eu? Ahhh: a conta? Bem, o compadre perdeu a cabeça e desapareceu diante agradecimentos silenciosos. Creio que queríamos dar-lhe a hipótese de se arrepender, mas o nosso generoso e genuíno amigo apareceu, sorridente e a balançar as ancas. 

Saímos com a dose certa, a gingar por entre mesas, e pessoas e pessoal da casa que, se não estiverem a ser escravizados (filmes ou realidades a mais?), sobravam em simpatia e à-vontade.

De novo abraçámos a noite de Lisboa, partilhámos os sorrisos e boa disposição e, já do outro lado da grandiosa avenida, despedimo-nos, não sem antes relembramos a vontade de conhecer outra tasquinha.

Que é assim como quem diz: estarmos juntos de novo!

02 novembro 2013

O Dia de Finados Está Moribundo

Hoje é dia 1 de Novembro, dia de finados.

Pela primeira vez (que me lembre) não é feriado. Neste dia, todos os anos, várias crianças gritam: "Pão por Deus", enquanto, em bandos e por entre risadas ansiosas, tocam as campainhas insistentemente.

Por estar de folga, fui - como é meu hábito - comprar doçarias para a criançada. Coloquei numa taça: chupa-chupas; rebuçados; gomas com formas de dentaduras de vampiros, fantasminhas, máscaras, caveiras...

Hoje, pela primeira vez, desde há muitos anos, na minha taça  subsistem imensas guloseimas. Durante o dia, fui espreitando por entre os ferros do portão e apenas vi o imenso vazio de crianças. 

Hoje (e só porque existe uma escola perto), tive hipótese de distribuir alguns doces, no intervalo grande, porque, pela primeira vez, fui eu que chamei a criançada que passava e lhe dizia ser o dia de pão por Deus.

Acredito que os cemitérios também terão sido menos visitados. As campas serão limpas em outras alturas (mais vulgares), as flores murchas substituídas quando houver tempo para isso.

Os mortos mais sozinhos.

E fiquei triste. Triste por ver tradições a morrerem, triste por perceber que a cultura de um povo empobrece, por decisões de alguns que dizem representá-lo. Triste por todas as crianças que, sem se darem conta, terão menos alegrias, menos  cumplicidade, menos partilhas, menos sorrisos por parte dos adultos. 

Transformámos um dia tão especial num igualzinho à maioria dos restantes. Acizentá-mo-lo.  

Estou mesmo triste!